domingo, 29 de janeiro de 2017

O MELHOR DE TEREZA TAROUCA

Fadista, Tereza de Jesus Pinto Coelho Telles da Silva nasceu a 4 de Janeiro de 1947, em Lisboa. É uma das grandes representantes do chamado fado aristocrático e um dos primeiros nomes a serem apontados como sucessora de Amália Rodrigues. Bisneta dos Condes de Tarouca, prima de Maria Teresa de Noronha e de Frei Hermano da Câmara, cresceu num ambiente musical, no seio de uma família de posses. Parte da infância passou-a numa quinta em Torres Vedras. Mas a família possuía outras propriedades, como uma outra quinta em Ponte de Lima, cujo ambiente a marcou. Começou a cantar desde muito cedo, influenciada por Amália Rodrigues e Maria Teresa de Noronha. A sua primeira apresentação em público aconteceu, com apenas 13 anos, no Salão dos Bombeiros de Oeiras. De seguida foi entrevistada no Rádio Clube Português e cantou na televisão.


Na altura, sabia apenas um tema, pelo que teve que alargar rapidamente o reportório. Uma grande ajuda foi a de Pedro Homem de Mello que, ao longo do tempo, escreveu-lhe dezenas de letras, numa profícua relação artística. Aos 15 anos, assinou um contrato com a RCA e gravou o seu primeiro disco. E três anos depois recebeu o prémio da Casa da Imprensa. Tereza Tarouca começou assim por ser uma menina-prodígio. Tardou no entanto em profissionalizar-se. Só o fez de resto, após alguns concertos no Casino da Figueira, por exigência dos produtores. Aos poucos, a sua voz ganhou fama em Portugal. E foi cantando no estrangeiro, em países como Bélgica, Espanha, Estados Unidos, Dinamarca e Brasil. E também em casas de fados, de que se destaca o Novita, propriedade de Nuno da Câmara Pereira. O ritmo da sua carreira artística foi abrandando e na década de 90 praticamente se retirou. No entanto, nunca deixou de cantar.


Esta coletânea reúne as suas melhores interpretações, algumas delas verdadeiros clássicos do Fado, tão difíceis de encontrar nos escaparates das discotecas: "Canção Verde", "Cai Chuva do Céu Cinzento", "Fado Dor e Sofrimento" ou "Saudade Silêncio e Sombra", por exemplo. O alinhamento inicia-se com uma confissão. "Não Sou Fadista de Raça" e termina com esse espantoso "Testamento" (com letra de Alda Lara):

À rapariga mais nova
Do bairro mais velho e escuro
Deixo os meus brincos lavrados
Em cristal límpido e puro

E àquela virgem esquecida
Sonhando alto uma lenda
Deixo o meu vestido branco
Todo tecido de renda

E este meu rosário antigo
De contas da côr dos céus,
Ofereço-o àquele amigo
Que não acredita em Deus

E os livros, rosários meus
Das contas doutro sofrer
São para os homens humildes
Que nunca souberam ler

Quanto aos meus poemas loucos
Esses que são só de dor
E aqueles que são de esperança
São para ti, meu amor

P’ra que tu possa um dia
Com passos feitos de lua,
Oferecê-los às crianças
Que encontrares em cada rua

6 comentários:

Anonymous disse...

É imperdoável não haver comercialmente disponível uma antologia desta grande senhora do Fado. Por isso esta oferta do Rato é bem oportuna e de aproveitar por quem se interessa pela "canção nacional".
MUITO, MUITO OBRIGADO!
Filipa Madruga

xulio disse...

Muchas gracias

Diogo Lucena e Quadros disse...

Subscrevo inteiramente o comentário acima proferido!!!TEREZA TAROUCA é das maiores artistas que este Pais tem e que sinceramente não a mereceu na medida em que não lhe dá a importancia que lhe é devida!!!

Anónimo disse...

Agradecia imenso se possível os links para download deste álbum. Continue com as suas excelentes postagens, obrigado cumprimentos.

Moi même disse...

Hello,
My new blog with only female singers.
You choose the song... and listen.
Enjoy!

http://listentothatsong.blogspot.com/

Reinaldo Amarante disse...

Compilação de luxo. Traz tudo o que queria ouvir, com uma excepção: "Meu Bergantim". Mas, como dizem os RS: "You can't always get what you want".
Obrigado pela partilha.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...