quarta-feira, 21 de setembro de 2016

MINHA TERRA É LINDA

Original released in LP Orfeu FPAT 6004
(PORTUGAL, 1979)

N'gola, 1483...
E no horizonte surgiu uma canôa gigantesca com velas brancas, que se aproximava veloz, cada vez mais, com o vento... Era o Homem Branco que chegava: numa mão uma cruz, na outra uma espada. Nos olhos, um brilho estranho de espanto, de cobiça, de triunfo. Ao som dos Kissanges, marimbas e Txingufos, ele desembarcou, calçando os pés com Terra Negra. Então N'gola viu a sua Terra esventrada gritar de dor e transformar-se. Viu seus filhos serem levados para outros mundos. Conheceu uma nova cultura, uma nova violência, a intolerância que se abatia sobre a sua Terra. N'gola adormeceu num sono longo e agitado, cheia de vozes no peito, crescendo, crescendo tanto que, num alarido despertou... e a Voz dizia: « não durmas mais... não durmas mais...» Era Novembro e as acácias vestiam-se de garrido vermelho. O sol vinha a nascer com um brilho novo, sobre a Terra perfumada de tamarindo e jambo... uma Lindeza! (Raul Indipwo)


A segunda metade dos anos 70 foi atribulada para o Duo Ouro Negro. Depois de participarem em 1974 no Festival RTP da Canção, com a canção "Bailia dos trovadores", lançam o single "Poema para Allende / Tentando ir mais alto" em 1975, e fazem a última gravação da década para a EMI-Valentim de Carvalho com o album "Epopeia / Lamento do Rei". No ano seguinte é lançado um disco ao vivo. Em 1979, voltam a gravar um novo album de originais, desta vez para a Orfeu, por sinal um dos LPs de maior sucesso do duo. Um álbum magnífico, que teve a participação de Mike Sergeant na guitarra e do já conhecido Zé Nabo no baixo. "Lindeza!", foi o nome escolhido pelos cantores para homenagear a Terra-Mãe («minha terra é grande mas será maior se eu a fizer crescer»). Não existem pontos fracos neste album, que pessoalmente considero um dos melhores da música portuguesa: quase 4 décadas volvidas, continua a ouvir-se repetidamente, com o mesmo prazer de sempre. Tanto quanto julgo saber, esta preciosidade nunca foi editada em CD, por isso têm aqui a oportunidade de aceder a uma cópia de grande qualidade, que Rato Records vos disponibiliza. Um grande obrigado ao Carlos Santos, pela ajuda dada na remasterização do vinil original.  

Músicos:

Vocais - Duo Ouro Negro (Raúl Indipwo e Milo MacMahon)
Acordeão - José Cid
Guitarra Acústica [Violão] – Mário Silva, Raúl Indipwo
Baixo – Zé Nabo
Guitarra – Mike Sergeant
Kalimba [Kissangi] – Raúl Indipwo
Guitarra de 12 cordas – D'Jilá Jr.
Vozes de Apoio (femininas) – Formiga, Pom

1 comentário:

Anónimo disse...

Mais uma gratificante divulgação pública com a chancela Rato Records.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...